Errata

Alguns erros foram cometidos durantes as aulas.
Pedimos que todos que identificarem erros entrem em contato com o curso, por email ou qualquer outro canal, para que possamos registrar aqui.

Tema 02: Noções de Astronomia

  1. Entre o minuto 18:00 e 20:00 quando se explica a posição do Sol na constelação de Sagitário em janeiro, ao meio dia não estará exatamente no zênite, mas próximo. Esse não é o maior problema, a questão é com a constelação de gêmeos, que para as latitudes do Brasil não fica no zênite. Em janeiro, à meia a noite, teremos aproximadamente no zênite as constelações da pomba e lebre. Para gêmeos estar no zênite a meia noite em janeiro, precisaríamos estar localizados aproximadamente na Lat. 28N | Long. 26 O. (Créditos: Diego de Bastiani)

Tema 10: As estrelas

  1. Slide 4: Onde diz “~300x mais brilhante” leia-se “~ 2,5 x mais brilhante”

Tema 12: A morte das estrelas

  1. Vídeo em 31m15s: É dito que o carbono grafite é amorfo, porém o grafite tem uma estrutura química bem ordenada e é considerado como uma das formas cristalinas do carbono, junto com o diamante.(Créditos: Natan Filippi)

Tema 16: Forma da Via Láctea

  1. Vídeo em 15m: É dito que o Shapley usou aglomerados abertos, mas na realidade usou aglomerados globulares.(Créditos: Anderson Gadonski)

Tema 20: Galáxias ativas

  1. Vídeo em 17:10: É dito que a camada interna é mais quente. O correto é o que está no desenho: quanto mais externo, mais quente. Esse efeito se deve ao fato do disco ser aquecido em parte por irradiação do Buraco Negro. Além disso, é provável que o fator principal sejam os efeitos magnéticos, como os que causam a coroa solar ser muito mais quente que a atmosfera. Artigo original: http://cds.cern.ch/record/420476/files/0001165.pdf (Créditos: Natan Filippi)

Tema 21: Grupos de galáxias

  1. Vídeo em 9:34:: A legenda do vídeo está incorreta. Ele fala da LMC (LARGE Magellanic Cloud), e a legenda diz que é a pequena, e comete o mesmo erro em seguida. (Créditos: Natan Filippi)

Tema 24: Cosmologia observacional

  1. Slide 39: É importante notar que os resultado do Planck são para o universo jovem (pois ele estuda a Radiação Cósmica de Fundo) enquanto os resultados do Telescópio Hubble são para o universo mais recente. A diferença entre eles (Planck é menor que Hubble) é entendida em termos da aceleração do universo: expande mais rápido hoje. Quando me refiro às medições forncecem os mesmos resultados, penso principalmente na interpretação do Modelo Cosmológico mais aceito hoje, o Lambda-CDM, especialmente na previsão da quantidade de Energia Escura em função da Matéria (Escura e normal), que é do que trata o gráfico mostrado.